domingo, 24 de maio de 2020

o primeiro namoradinho

3. escreva sobre o seu primeiro beijo e como se sentiu.

a primeira coisa que me vem à mente quando penso nisso é o tanto de beijinho que eu podia ter dado antes do primeiro, mas não tive coragem simplesmente porque ainda não era A Pessoa Certa. o fardo de ser uma mulher canceriana é romantizar tudo desde que nasci...

eu tinha 13 anos e já me achava super velha pra ser bv. enquanto quase todas as minhas amigas já estavam inclusive com os seus namoradinhos, eu ainda ficava apavorada com a ideia de beijar alguém. como que eu podia deixar uma pessoa que não era especial o suficiente enfiar a língua dentro da minha boca????? pelo amor de deus, sabe. inviável.

eis que um dia, de repente, não mais do que de repente, eu conheci esse menino. nós estudávamos na mesma escola, tínhamos amigos em comum, mas eu nunca tinha trocado nem uma palavra com ele. na verdade, eu não dava bola pra existência dele e nem ele pra minha. até que a gente se conheceu e as coisas mudaram com toda a intensidade que a adolescência permite. 

nos conhecemos no último dia de aula antes das férias de julho. não há adolescente que resista ao clima de euforia pré-férias e, ainda bem, os professores também compartilhavam desse mesmo sentimento. desde que ninguém extrapolasse e perdesse muito o juízo, a gente podia ir nas outras classes, interagir com os colegas pelos corredores etc. estávamos ali pra cumprir o calendário escolar, mas não tinha aula de verdade.

uma amiga de outra classe, um ano mais velha, me chamou pra ir até a sala dela. os alunos levaram comida pra fazer um café da manhã de despedida. morrendo de vergonha de invadir um espaço que não me pertencia, e mais ainda de comer uma comida que não era pra mim, eu fui. conheci os amigos dela, incluindo o famigerado boy, e comi uma coisa ou outra. fiquei ali por uns cinco minutos só, não sabia quanto tempo eu tinha pra ficar fora da sala sem o professor me dar bronca depois. na hora nós nem chegamos a conversar muito, mas nesse mesmo dia, de tarde, ele me adicionou no finado orkut. trocamos umas mensagens e passamos a conversar no msn. depois de uns dias também já estávamos trocando sms pelo celular. pois passei o mês inteiro de férias conversando com ele o tempo todo e, quando eu dei por mim, já tava apaixonada.

aí as aulas voltaram, a gente se reencontrou pessoalmente e chegou o fatídico dia de finalmente beijar a boca do menino que eu gostava. pra nossa sorte (assim não tivemos que planejar muito), teria um jogo de futebol da nossa escola contra uma outra do mesmo bairro numa quadra pertinho de onde a gente estudava, dava pra irmos a pé. fomos em bando, vários adolescentes juntos animadíssimos com o fato de os nossos amigos jogarem dali a pouco. e eu com o maior frio na barriga porque meu deus do céu eu ia beijar a boca do menino que eu gostava!!!!!

e é claro que foi tudo meio esquisito, eu fiquei super nervosa, mas não foi ruim não. beijar pela primeira vez alguém de quem eu gostava de verdade foi uma experiência tão gostosinha! valeu a pena esperar, fiquei bem feliz na época e é uma lembrança boa que me deixa de coração quentinho hoje. e depois não é que eu e o belezinha acabamos sendo um casalzinho por um tempo considerável? em meio a várias idas e vindas, alguns meses separados e ficando com outras pessoas aqui e ali, passaram-se uns dois anos desde esse primeiro até o último beijo que a gente deu.

perdemos o contato de vez há mil anos, mas às vezes rola uma troca de likes nas fotos um do outro no instagram. a modernidade, né, meninas? :)

_______________

pra ler os posts anteriores do desafio dos 30 dias, clica aqui!

sexta-feira, 22 de maio de 2020

a melhor escola do mundo

2. escreva sobre a memória mais feliz da sua infância.

da primeira a quarta série, eu estudei numa escola construtivista.

na época eu achava tudo normal, considerando que aquela era a minha realidade e eu sequer sabia que dava pra ser de outra forma, mas hoje eu vejo como essa foi uma experiência diferenciada, incrível e completamente rica! muito do que eu aprendi ali se reflete em quem eu sou hoje.

a escola era toda aberta, muitas das nossas atividades eram feitas ao ar livre e as salas tinham paredes de vidro. assim a gente conseguia ver e interagir com as outras classes, inclusive algumas aulas eram dadas pra turmas diferentes ao mesmo tempo.

seguindo a dinâmica proposta pelo construtivismo, as turmas eram super pequenas. que eu me lembre, a maior delas devia ter, no máximo, umas 12 crianças. vários dos meus colegas tinham algum tipo de deficiência física ou intelectual e isso era absolutamente corriqueiro pra gente, não lembro de nenhum caso de criança sendo discriminada por não se encaixar em qualquer tipo de padrão. claro que os professoram davam uma atenção maior pra esses alunos, atendendo às necessidades de cada um, mas não era algo que se destacasse de forma ruim aos olhos dos colegas. sendo assim, fazer dupla com uma criança com síndrome de down, autista ou cadeirante não era uma questão pra nenhum dos alunos. era comum.

quando eu tava na quarta série, tinha uma menina autista na minha turma, a fernanda. eu não faço a menor ideia de onde ela se encaixa no espectro, o que eu sei é que às vezes ela sentia muita dificuldade de se envolver nas atividades em grupo e obedecer as instruções. daí teve esse dia que a gente tava no parquinho no intervalo das aulas e, quando acabou, a fernanda se recusou a sair de onde ela estava. a professora não conseguiu convencê-la a voltar pra classe e a ela ficou parada, agachada no meio do pátio, gritando e chorando. não lembro se por iniciativa própria ou a pedido da professora, mas eu fui lá falar com ela. nós eramos bem amigas. me agachei junto, conversei e estendi a mão. voltei pra sala na companhia da fernanda, de mãos dadas com ela. e foi uma cena normal pra todo mundo, ninguém achou esquisito. uma colega passou por um momento difícil, a outra ajudou, seguimos o baile.

além disso, todas as atividades eram voltadas pra fazer o aluno pensar e criar. fiz mosaico na parede da escola, montei casinha com tijolo feito de caixa de leite (a gente reciclava tudo), plantei couve e depois não apenas colhi como fiz recheio de esfirra com as folhas, me vesti de palhaço numa apresentação com temática circense pra escola toda assistir... e também tive a liberdade de dizer não quando me recusei a apresentar uma peça de teatro, porque tinha vergonha demais e não tava me sentindo confortável. em vez de me obrigar a atuar senão eu ficaria sem nota (nós não fazíamos provas, as avaliações eram diferentes), a professora me ofereceu o cargo de assistente de palco. cumpri minha tarefa e fui avaliada como todos os outros, sem precisar sofrer nenhum trauma pra isso.

os alunos eram incentivados a se expressar o tempo todo e isso já começava com o uniforme. existiam umas seis cores diferentes de camiseta (vermelha, amarela, verde, branca...) e a criança podia usar a que quisesse. era tudo divertido demais! na maior parte do tempo eu nem sentia que tava indo lá pra aprender, por mais que a gente tivesse o tempo todo desenvolvendo as nossas habilidades e conhecendo coisas novas.

e a escola era toda verde, cheia de arbustos com flores coloridas, várias árvores, inclusive uma jabuticabeira incrível que era o meu lugar preferido. também tinha um tanque com peixes e tartarugas, uns coelhos e uns jabutis. e a gente aprendia principalmente a respeitar o espaço dos bichinhos, não tinha essa de sair pegando no colo ou dar comida fora de hora. nossa relação com a natureza era muito bonita, interagir com ela fazia parte da educação que a gente recebia.

ai, gente...

é isso. eu podia ficar aqui por horas tecendo elogios pra esse lugar incrível, que tinha uma equipe 10/10 (e eu imagino que ainda tenha, porque a diretora é a mesma até hoje e ela é maravilhosa), mas vou parar por aqui antes que eu fique mais nostálgica e saudosa do que já tô.

fico feliz demais quando penso em tudo o que eu vivi nessa escola. agradeço aos meus pais do fundo do coração por terem me proporcionado essa vivência (e sei que não foi fácil, foi preciso muito planejamento e organização da parte deles). se eu tiver como bancar, faço questão de proporcionar algo assim pras minhas crias no futuro. 🌟

_______________

pra ler os posts anteriores do desafio dos 30 dias, clica aqui!

domingo, 17 de maio de 2020

hoje eu não quis tirar o pijama

alguns dias são piores que outros, mas até que tô levando bem. 

considerando que tô presa na minha casa sem poder sair pra rua - e com medo de me contaminar com um vírus letal quando vou ao mercado - e que faz dois meses que não vejo meu namorado ou qualquer outra pessoa além dos meus pais... tá tudo sob controle.

sou uma pessoa de rotinas, me organizo melhor e me sinto mais confortável tendo um cronograma pra seguir. por isso, nos dias de semana eu acordo cedinho, tomo café da manhã com meu pai, faço 1h de exercício físico, tomo banho, trabalho, janto, leio livro ou vejo alguma coisa no youtube e daí já chegou a hora de dormir. já nos fins de semana eu acordo umas horinhas mais tarde, tomo café com mamãe (meu pai acorda muito cedo, então come antes da gente), ajudo com o almoço, faço faxina, me exercito, leio. os horários são mais bagunçados, mas é sempre mais ou menos a mesma coisa.

mesmo nos dias em que eu tô me sentindo mais triste, irritada ou frustrada, eu ainda me obrigo a fazer as coisas. mesmo sem vontade alguma, obedeço o meu cronograma e sigo em frente. não posso ficar parada e muito menos caminhar pra trás, então simplesmente faço o que preciso fazer. do mesmo jeito que eu sou obrigada, querendo ou não, a trabalhar todos os dias das 10h00 às 19h00, também preciso lavar o banheiro e seguir o calendário de exercícios. e é o que eu faço. respiro fundo e vou, com vontade ou sem.

mas hoje eu acordei e não quis nem tirar o pijama.

coloco meu despertador pra tocar às 9h00 de fim de semana, o que pra mim tá excelente. mas hoje acordei umas 6 e pouco, com cólica e frio. do lado de fora da janela tava uma neblina tão densa que não dava pra enxergar nada - sim, eu durmo de janela aberta. senti uma saudade enorme de dormir abraçada com meu namorado, jamais passo frio quando ele tá ali comigo. me enrosquei mais ainda na coberta, fechei os olhos e voltei a dormir. depois eu realmente levantei às 9h00, como boa obediente da minha própria rotina que sou.

curiosamente, hoje tomei café sozinha. depois de comer, botei a roupa pra lavar e fui ler um livro. meu plano era fazer meus exercícios antes do almoço, pra me livrar logo da obrigação, mas tava tão frio... não tive coragem. mamãe acordou, fiquei conversando, quando vi já era quase 11h e eu ainda tava de pijama. posterguei os exercícios pra mais tarde, tinha que criar coragem primeiro. mas pelo menos eu precisava me trocar. quando pensei nisso, senti um peso nos ombros. me trocar pra quê, afinal de contas? tirar o pijama e vestir uma calça de moletom, que é basicamente um pijama, não mudaria nada. e eu nem queria me trocar, só faria isso por obrigação. me recusei. assim como também me recusei a fazer os exercícios físicos do dia. hoje me dei um descanso.

me permiti não fazer nada além do que era obrigatório de verdade e tive um dia tranquilo - e muito confortável, porque meu pijama é incrível. amanhã, quando eu voltar a obedecer minha rotina sem tirar nem por, talvez eu tenha um pouquinho mais de fôlego depois desse respiro de hoje. tô torcendo pra isso.

domingo, 3 de maio de 2020

açaí e sorvete de frutas vermelhas

dia desses minha amiga bia postou no twitter sobre um desafio de escrita (tá nos destaques!) que ela ia encarar. quem tá por aqui há tempos talvez se lembre que lá nos longínquos anos de 2015 e 2016 eu participei do BEDA (blog everyday in august), postando todos os dias do mês de agosto durante dois anos seguidos. em 2015 foi divertido, mas em 2016 foi tão sofrido que eu prometi nunca mais cair nessa cilada outra vez. e aqui estamos nós... querendo beber da água que eu disse que nunca mais beberia. vou jogar mais essa pra conta da quarentena! 

mas dessa vez a coisa vai ser diferente, porque em 2020 quem manda no desafio sou eu. tô rebelde, não quero saber de seguir regras. vou fazer do meu jeitinho, TENTANDO seguir pelo menos a ordem dos temas propostos sem pular nenhum, mas vou postar na frequência que eu bem entender. e não necessariamente vou escrever sobre a minha vida, quero usar o tema como fonte de inspiração só. pode ser que venha um relato autobiográfico, mas pode ser que venha um conto de ficção, vai saber! ah, também vou desistir sem medo de ser feliz quando eu não tiver mais afim, porque não sou obrigada a nada. dito isso, vamos lá! :)

✽✽✽

1. escreva sobre o seu primeiro amor.

já fazia 6 anos que aline e rafael moravam no mesmo condomínio, o village das andorinhas, a poucas casas de distância um do outro.

com muito esforço, os pais de rafinha conseguiram comprar o sobrado de número 52 antes mesmo de ele nascer. quando rafael tinha nove anos, aline mudou-se para o village. ele a viu pela primeira vez numa quarta-feira à tarde. em frente ao sobrado 48, havia um casal de adultos e uma menina baixinha, usando vestido roxo e tênis laranja. ele ficou curioso - será que aquela família se mudaria para lá? suzy, a mãe de rafael, acenou para os novos vizinhos. ele também sorriu e acenou, mas a menina era tímida: escondeu-se atrás da mãe e ficou espiando enquanto ele entrava em casa.

a princípio, aline tentou passar despercebida. a menina estava apavorada com a ideia de conhecer tantas pessoas novas! mas em poucas semanas esse cenário mudou: ela conquistou tranquilamente o seu espaço em meio às outras crianças do condomínio. assim como todo mundo, rafael ficou muito feliz por tê-la ali. lica era a melhor jogadora de queimada do village todinho!

durante anos os dois encontraram-se quase todas as tardes. junto com os outros amigos, formavam um grupo de dez crianças que estavam sempre juntas. rafinha ensinou aline a andar de bicicleta - e correu desesperado pra acudir quando ela caiu e ralou o joelho. mas lica não se deixou abalar! limpou as lágrimas e tentou de novo e de novo, até conseguir. as amigas bateram palmas e gritaram de alegria quando ela finalmente pedalou sozinha, sem as rodinhas da bike, e sem perder o equilíbrio nenhuma vez. aline largou a bicicleta no chão e correu pra abraçar rafael, como forma de agradecimento. tantos anos depois, ambos ainda tinham esse momento guardado na memória com muito carinho.

com o passar do tempo, o grupo de amigos mudou. algumas crianças foram embora do village, outras chegaram... mas lica e rafinha continuaram lá, juntos, mais amigos do que nunca. na sétima série, rafael ficou de recuperação em geografia. aline passou uma semana ajudando-o a estudar todos os dias, o que garantiu a ele uma nota 8.5! como recompensa, lica ganhou um pote enorme de açaí com leite condensado, morango e granola. ela ficou tão feliz que só se lembrou de oferecer quando faltavam pouquíssimas colheradas pra acabar. rafinha até queria sim, mas preferiu deixar tudo pra ela. dava gosto de ver a menina sorrindo daquela forma, ele não quis correr o risco de estragar o momento.

agora faltavam poucos meses pro aniversário de 15 anos de aline. ela não quis ganhar uma festa, preferiu viajar. na semana do seu aniversário, lica e seus pais iriam para um hotel no rio de janeiro. ainda que essa não fosse a sua viagem dos sonhos, a menina estava muito feliz. aline passava horas planejando a viagem e pesquisando passeios diferentes, ela estava muito empolgada! a avó paterna de rafael era do rio de janeiro, o menino já havia passado as férias muitas vezes nas praias cariocas. por isso, rafinha fez questão de dar a ela todas as dicas possíveis. no seu roteiro da viagem, registrado num caderno antigo, aline escreveu de caneta vermelha, no alto da página: "não deixar de conhecer a sorveteria preferida do rafa!!!".

um dia antes de viajar, a menina estava tão ansiosa que não conseguia se distrair. ela pegou o celular e mandou uma mensagem de texto pra rafael, perguntando se podia ir na casa dele jogar video game. rafinha demorou sete minutos pra responder. ela já estava impaciente, mas sorriu ao ver a resposta: "corre, estamos te esperando", acompanhada de uma foto do controle do video game e um balde de pipoca. sem perder tempo, aline calçou o primeiro chinelo que encontrou pelo caminho e deixou um bilhete escrito às pressas na mesa da sala: "tô no rafa, volto mais tarde. se precisar, me liguem!". quando chegou na casa 52, rafinha já estava esperando na porta.

foi uma tarde muito divertida! enquanto jogavam, os dois conversaram sobre vários assuntos, não apenas sobre a viagem. como sempre, com seu jeito mais tranquilo, rafael conseguiu fazer aline se distrair e relaxar. aliás, sempre que ela se sentia muito nervosa, era ele quem a ajudava a se acalmar. de noite, ao abraçá-lo na hora da despedida, lica lembrou-se do abraço que eles haviam trocado há tantos anos, quando ela aprendera a pedalar. naquele momento, seu sentimento de gratidão era o mesmo. antes de dormir, rafinha mandou uma mensagem desejando boa viagem. "não esquece, o sorvete de frutas vermelhas é o mais gostoso", ele escreveu. aline com certeza se lembraria disso.

aline voltou pra casa num sábado à tarde. quando chegou no condomínio, três amigas já estavam à sua espera. as meninas ajudaram-na a descarregar as bagagens do carro e foram convidadas por patrícia, a mãe de aline, a entrar em casa. juntas, enquanto conversavam sobre todas as novidades dessa última semana, as quatro adolescentes desfizeram a mala de aline, separaram as roupas para lavar e guardaram tudo o que precisava ser guardado. quando aline foi tomar banho, bianca correu até a sala para conversar com a mãe da amiga. enquanto isso, carol mandou mensagem pra rafael e tati foi até o salão de festas do condomínio. assim que o chuveiro foi fechado, bianca voltou para o quarto de aline e ficou conversando com carol como se nada tivesse acontecido. quando lica percebeu que tati não estava mais ali, estranhou. as meninas inventaram uma desculpa qualquer e convenceram aline a acompanhá-las até o parquinho do condomínio. ela não queria ir, sentia-se cansada da viagem e preferia ficar em casa. mas até mesmo os seus pais insistiram para que ela fosse se divertir e matar a saudade dos outros amigos, então ela aceitou o convite.

bianca e carol estavam agindo de maneira esquisita, mas como aline não conseguiu encontrar nenhum motivo pra isso, preferiu deixar pra lá. assim que passaram em frente ao parquinho, aline perguntou se elas não iam parar. carol respondeu prontamente que iam até a casa de tati, perto do salão de festas, para ver se a amiga podia sair novamente. quando elas estavam a pouquíssimos passos da porta do salão, as luzes se acenderam e, em uníssono, diversas pessoas gritaram "PARABÉNS, LICA!". aline levou um susto tão grande que quase tropeçou. com um misto de vergonha, alegria e irritação por ter sido enganada, ela começou a chorar. as amigas correram para abraçá-la - inclusive tati, que foi quem acendeu a luz do salão de festas.

os pais de lica, que sabiam da surpresa desde antes mesmo da viagem acontecer, também apareceram. visivelmente emocionados, eles abraçaram os amigos da filha, agradeceram a demonstração de carinho, disseram para aline aproveitar a festa sem hora pra voltar pra casa e foram embora. quando conseguiu conter as lágrimas e conversar com os amigos, lica descobriu que a ideia toda havia sido de rafael. ele e bianca combinaram os detalhes com os pais de aline e organizaram, junto com os outros amigos do grupo, essa festinha surpresa. "eu sei que você não queria uma festa normal, mas não dava pra gente deixar essa oportunidade passar", ele disse. aline sentiu seu coração bater mais forte. rafael puxou-a para um abraço e, dessa vez, foi diferente de tudo o que ela já havia sentido antes. até o perfume que ele sempre usava parecia mais cheiroso. lica sentiu as bochechas arderem.

já passava das dez horas da noite quando o grupo começou a arrumar o salão para ir embora. aos poucos, os amigos foram se despedindo e voltando para suas casas. quando tati percebeu que restavam apenas cinco pessoas ali, disse para bianca e carol que elas precisavam deixar lica e rafael sozinhos. "é hoje, gente, eu tenho certeza! rafinha precisa tomar uma atitude de uma vez por todas!". ao passar por rafael, carol lançou-lhe um olhar que dizia claramente pra ele não perder aquela oportunidade. assim que ficaram sozinhos, rafael respirou fundo. "lica", ele chamou. aline olhou pra ele com uma ansiedade quase palpável. seu estômago estava retorcido, como se houvesse uma família de borboletas morando ali dentro.

"vamos conversar lá fora?", rafael perguntou. eles apagaram as luzes, trancaram a porta do salão e  foram para o parquinho. sentaram-se lado a lado, um em cada balança. por regra do condomínio, maiores de 12 anos não poderiam ficar ali, mas eles sabiam que ninguém fiscalizava depois das 22h00. lica  pensava nisso enquanto olhava para os próprios pés, tentando controlar o nervosismo, quando percebeu que rafael a encarava. com muito esforço, ela o encarou de volta. por mais que sempre tivesse se sentido completamente à vontade ao lado dele, aquela era uma situação completamente nova. aline sequer entendia tudo o que estava sentindo. assim que percebeu que ele iria falar alguma coisa, por impulso, ela falou antes: "o sorvete de frutas vermelhas foi o melhor que eu já comi". rafinha começou a rir.

- eu tô há dez minutos criando coragem pra falar uma coisa séria e, quando eu finalmente consigo, você me diz uma coisa dessa. aline do céu!

- o que foi? - ela perguntou, querendo rir, porém um tanto constrangida. suas bochechas estavam queimando novamente. por sorte, a luz da lua não era forte o suficiente para iluminá-la naquele momento. - desculpa... o que você ia falar?

- você jura que não sabe? - rafael queria rir, mas dessa vez era de nervoso. ele estava olhando fixamente dentro dos olhos dela. eram os olhos mais lindos que ele já tinha visto, apesar do seu tom de castanho completamente comum.

sem dizer nada, aline caminhou até um banco de madeira e chamou-o para sentar-se ali junto com ela. o coração de rafinha batia tão forte que ele tinha certeza que aline podia escutá-lo. sentados de frente um para o outro, em silêncio, eles encararam-se por alguns segundos. lica estava muito ansiosa, ela ainda não se sentia pronta para ouvir o que quer que rafael tivesse a dizer. mas ela sentia que queria a mesma coisa que ele. sendo assim, a menina inclinou-se alguns centímetros para frente, chegando mais perto de rafael. "desde quando?", ela perguntou. rafinha abriu um sorriso, o que fez o coração de aline saltar até a boca. "acho que desde sempre... mas no dia que você comeu todo o açaí depois de eu passar na prova de geografia foi que eu tive certeza", ele respondeu. aline gargalhou, essa resposta foi muito melhor do que ela estava esperando! sem pensar muito, ela fechou os olhos e projetou o corpo para frente, encostando os seus lábios nos dele.

esse não foi o primeiro beijo de nenhum dos dois, mas com certeza foi o mais especial até o momento. aline percebeu que rafinha sempre havia sido mais do que um amigo. por mais que não tivesse identificado isso antes, ela realmente também gostava dele de um jeito diferente. eles ficaram juntos ali no parquinho por mais uns quarenta minutos, conversando, dando risada e trocando beijos e abraços. rafael não queria se separar, mas aline estava caindo de sono. ela precisava mesmo descansar depois de um dia tão intenso. caminharam de mãos dadas até a casa 48, onde lica morava, e despediram-se com um selinho tímido. antes de dormir, ainda trocaram algumas mensagens de texto. rafael adormeceu com um sorriso de orelha a orelha pensando na última mensagem que ela enviara. "amo açaí e sorvete de frutas vermelhas, mas prefiro você. boa noite, a gente se vê amanhã! ❤️".

quarta-feira, 29 de abril de 2020

livrinhos de abril

pra acompanhar os posts anteriores, é só clicar aqui 😄


◇ ◇ ◇


O jardim secreto - Frances Hodgson Burnett (1911)


comecei a ler esse livro uns anos atrás e não passei das primeiras páginas, fiquei muito incomodada com o racismo da personagem principal contra os indianos. agora, por causa da quarentena, a editora liberou esse ebook e eu tentei de novo. como eu já sabia o que ia encontrar, foi um pouco menos chocante, mas ainda achei difícil de digerir - mesmo que o livro seja do começo do século XX. enfim. resumindo bem, é a história de duas crianças insuportáveis que aprendem juntas a respeitar o próximo e a amar a si próprios e aos outros. e aí elas viram crianças ótimas!! também tem outras personagens incríveis que cumprem um papel importantíssimo pra ajudar esses dois a melhorar. é bem bonitinho e é gostoso de ler, gostei da narrativa e da evolução das personagens, mas a forma como a autora retrata o povo indiano é BIZARRA. se você for ler, se prepare pra isso. ah, tenho uma história com o filme inspirado nesse livro: já tentei assistir umas 3x, mas eu SEMPRE durmo antes do fim!! pelo menos agora eu sei como a história termina :D hahah


Nimona - Noelle Stevenson (2015)


✩ favorito do mês! ✩
o fato de estarmos vivendo em meio a uma pandemia global me deixou um pouco descaralhada das ideias, então vasculhei a minha estante atrás de alguma coisa que pudesse me trazer um conforto imediato sem exigir muito do meu cérebro: não deu outra, precisei reler essa preciosidade pra poder sorrir de novo. li no segundo semestre de 2018 e fiquei fascinada por esse quadrinho, reli agora e amei tudo de novo. essa história é maravilhosa! é uma metamorfa adolescente que vira assistente de um vilão, que na verdade é um cara bom, e precisa lutar contra uma instituição realmente do mal e contra o monstro que vive nela própria. É PERFEITO! li devagar, um pouquinho por vez, pra fazer durar mais. recomendo muito!


O amanhã não está à venda - Ailton Krenak (2020)


artigo atualíssimo de um líder krenak refletindo sobre a nossa relação com o planeta terra, a suposta normalidade que a gente vivia enquanto civilização num tempo pré-corona e sobre como a nossa forma de enxergar o futuro precisa ser repensada. acho que nunca li nenhum livro que tenha sido escrito tão recentemente e tratando de um assunto tão contemporâneo, isso já foi uma experiência por si só. sem contar que, pelo que eu me lembre, é meu primeiro contato com um autor indígena!! é super curtinho, tá de graça na amazon, e é bem bacana pra fazer a gente que mora na cidade grande pensar a respeito de como a gente vê e trata a natureza. aproveita a quarentena e baixa esse livro!! quero muito ler as outras publicações dele!


Educação e libertação: a perspectiva das mulheres negras - Angela Davis (1981)


não tô conseguindo ler direito, livros grandes e densos tão me intimidando, então quase chorei quando vi que a editora liberou esse capítulo do livro "mulheres, raça e classe" - que eu pretendo ler assim que o cenário mundial permitir! nunca tinha lido angela davis, fiquei encantada com a quantidade de referências que tem nesse texto. é um trabalho tão rico!!!! realmente dá vontade de consultar as obras citadas e continuar estudando sobre o assunto, gostei muito de verdade! ah, uma coisa que me deixou pensativa: não sei como é o restante do livro, mas achei curioso a editora ter liberado um capítulo com tanta ênfase na ajuda que as mulheres brancas deram pra comunidade negra no quesito educação lá nos séculos 18 e 19. mas só lendo o livro todo pra chegar a uma conclusão sobre isso...


Amizades, cacatuas e outras coisas fora de controle - Mareska Cruz (2019)


escolhi um YA nacional de capa fofinha pra terminar o mês mais leve :) é uma história bonitinha e estapafúrdia que, como o próprio nome indica, fala sobre amizade. as personagens principais são duas ex-melhores amigas que não se falavam há tempos e acabam precisando se reunir. assim, de uma vez por todas, elas resolvem os problemas que abalaram essa amizade. também como o título já diz, tem uma cacatua maluca que serve de alívio cômico e acontecem várias situações esdrúxulas, é divertido de ler! as personagens são todas uma gracinha e tem bastante representatividade - uma personagem é gorda, a outra é negra de cabelo crespo, tem duas meninas que namoram e são bem aceitas pelas famílias etc. também tem uma personagem com transtorno de ansiedade, então rola uma discussãozinha sobre saúde mental. é uma leitura bem de xóvem, bem legal. nada muito incrível, mas gostei de fechar abril com um livrinho mais tranquilo!


◇ ◇ ◇

em números, resumão do mês:

 livros terminados 5 x 0 livros abandonados

 literatura brasileira 2 x 3 literatura estrangeira (2 dos eua e 1 da inglaterra)

 livros lidos no kindle 4 x 1 livros físicos

 autoras mulheres 4 x 1 autores homens

 releituras 1 x 4 livros novos


◇ ◇ ◇


dois adendos:

1) eu tenho uma política pessoal de evitar escolher uma releitura como favorito do mês, acho que não tem graça, mas dessa vez foi inevitável. o livro do ailton krenak era um artigo, o da angela davis era só um capítulo e os outros dois eu gostei, mas não me apaixonei. o troféu foi pra nimona mesmo!

2) atualização sobre os miseráveis: que livro BOM, puta merda!!!!! tirando as quase cem páginas sobre a batalha de waterloo, que poderiam ter durado apenas 5, eu tô amando absolutamente tudo. a história em si, o jeito como a narrativa é construída e uma parte se relaciona com a outra, as críticas sociais do autor aqui e ali etc etc. mas como nós estamos vivendo no mais absoluto caos, tá sendo difícil eu conseguir ler esse livro. tô indo bem a passos lentos, cheguei na página 450 agora só. de qualquer forma, tô achando incrível!

terça-feira, 31 de março de 2020

livrinhos de março

pra acompanhar os posts anteriores, é só clicar aqui 😄


◇ ◇ ◇


Eu sei por que o pássaro canta na gaiola - Maya Angelou (1969)


✩ favorito do mês! ✩
que livro, meu amigos! um soco no estômago doeria menos, mas eu amei cada linha. é a autobiografia da autora, desde seus 3-4 anos até os 16-17, e fala sobre racismo, religião, relações familiares, estupro, identidade, pertencimento e sobre a importância da literatura na vida dessa mulher. a narrativa é desenvolvida de uma forma que faz a gente esquecer que é uma história real. sempre que eu lembrava que era a própria vida da autora me dava um apertinho a mais no peito, fico pensando em como ela se sentiu tendo que reviver essas lembranças pra escrever o livro... não deve ter sido fácil não. a história é forte e a escrita é mais ainda, toca a gente lá no fundo. é um trabalho muito bem feito mesmo. recomendo demaissss!


Crepúsculo - Stephenie Meyer (2005)


adivinha só quem é a jovem adulta que tava muito ocupada na adolescência sendo 100% consumida por harry potter e só agora resolveu ler romance de gosto duvidoso envolvendo vampiros e lobisomens???? 🙋 mas pelo menos não tô sozinha nessa! li junto com a tati, do limonada. é bom demais ter alguém pra dividir esse tipo de situação absurda!! :P gente, esse livro... que coisa mais brega!! diálogos bizarros, situações esdrúxulas, não tem absolutamente nada verossímil nessa história. é muito ruim mesmo, não tem como defender. e ainda por cima o livro é longo e demora pra acabar, pelo amor da deusa!!!! sem contar que achei preocupante real adolescentes lendo essa relação doentia da bella com o edward, eu hein... mesmo assim eu terminei querendo ler o próximo kkkkk ¯\_(ツ)_/¯


Histórias de ninar para garotas rebeldes - Elena Favilli e Francesca Cavallo (2016)


pelo amor da deusa, eu não quero nunca mais desgrudar dessa belezinha!!!! o livro reúne as histórias (bem resumidas, em poucas linhas) de 100 mulheres incríveis. pra coroar, 60 mulheres foram chamadas pra ilustrar essas histórias. o livro é muito bonito, um capricho só! e deixa clara a mensagem de que meninas podem fazer tudo o que quiserem e nada pode impedi-las ♡ queria distribuir de presente pra todas as meninas crianças que eu conheço, mas é muito caro pra isso hahaha elas falam sobre mulheres famosas (tipo a malala e a nina simone), mas também tem histórias de mulheres que eu nunca ouvi falar e gostei demais de conhecer. ah, as duas brasileiras que aparecem nessa edição são a cora coralina e a maya gabeira. claro que é meio raso, a proposta é essa mesmo, mas instigou minha curiosidade pra pesquisar mais sobre essas mulheres e eu acho que serve como uma baita incentivo pras meninas mais novas!


Escrito em algum lugar - Vitor Martins (2019)


obrigada amazon por disponibilizar esse ebook!!! :D não posso ver nada que o vitor publica que já quero ler urgente, ainda mais com uma capa bonita dessa! a história desse conto é, resumindo bem: dois homens adultos se conhecem na fila do show de uma boyband e vivem um relacionamento. é fofo, é divertido e, como bônus, se passa num lugar "perto" da minha casa e que eu frequento!!! então acaba soando meio familiar pra mim. é bem gostosinho de ler, eu adoro as personagens que ele cria! mas tá longe de ser o melhor que ele já escreveu - se bem que eu vejo muito potencial nessa história, seria muito mais incrível se fosse um romance com várias páginas. de qualquer forma, achei show de bola e recomendo pra quem gosta de romances xóvens com referências às modernidades. eles usam redes sociais, falam sobre fanfic, comem fast food, essas coisa :P


Agora eu entendo: um conto de natal - Pam Gonçalves (2019)


peço licença pra ler histórias de natal em pleno mês de março pois a amazon também liberou esse ebook e eu não podia perder a oportunidade!!!! hahah é a primeira vez que tô lendo algo da pam e achei ok, sem nada demais. é um conto curtinho, desses que dá pra ler em meia hora, sobre relações familiares. me fez chorar pra caramba (sou dessas), mas sei lá... apesar de emocionante, achei raso. mesmo com poucas páginas eu acho que dava pra ter desenvolvido melhor as personagens e a história em si. também tem essa pegada moderninha, a protagonista vê harry potter na netflix, come brigadeiro enquanto enche a cara de cerveja etc . enfim, não me impressionou não, mas é uma história bonitinha e me deixou pensando bastante na minha avó, então valeu a experiência :)


◇ ◇ ◇

em números, resumão do mês:

 livros terminados 5 x 0 livros abandonados

 literatura brasileira 2 x 3 literatura estrangeira (2 dos eua e 1 da itália)

 livros lidos no kindle 5 x 0 livros físicos (kkkkkkkk)

 autoras mulheres 5 x 1 autores homens ("histórias de ninar" foi escrito por 2 mulheres, por isso a conta não fecha)

 releituras 0 x 5 livros novos


◇ ◇ ◇


quero registrar que comecei a ler os miseráveis - victor hugo dia 22 desse mês, mas por motivos óbvios (minha edição tem 1509 páginas!) não é humanamente possível terminar tão rápido pra ele entrar no registro de março. minha amiga fefa, que foi quem me deixou com vontade de ler essa gracinha, disse que levou 6 meses pra ler. tô torcendo pra quarentena e as férias forçadas me ajudarem a avançar mais rápido - mas não boto muita fé hahaha enfim, coloco ele na lista do mês em que eu terminar a leitura :) 

sábado, 28 de março de 2020

você assistiu errado, tenta de novo!

em 2017, a pixar lançou o filme viva - a vida é uma festa, que gira em torno de uma família mexicana e da celebração do día de los muertos.


miguel, o menininho com o violão, briga com a família por querer seguir seu sonho de ser músico e acaba indo parar no mundo dos mortos. como consequência, depois de sair quase tudo errado, miguelito faz com que sua família seja ainda mais unida do que antes.

esse filme é INCRÍVEL!! a história é linda, é muito divertido, tem músicas ótimas, as personagens são maravilhosas (frida kahlo tá no filme!) e é tudo tão colorido!!!!

poucas coisas na vida me fazem tão feliz quanto essa cena aqui:


é de encher os olhos mesmo, muito bonito de assistir! e é emocionante pra caramba, o filme tem umas cenas de deixar a gente com lágrima nos olhos. pra coroar essa belezinha, a mensagem no final é super positiva! mas aparentemente nem todo mundo concorda com essa minha afirmação...

se você não assistiu ainda e não quiser ler spoilers, eu sugiro que você pare por aqui. e sugiro com ainda mais insistência que você assista a esse filme pra ontem porque ele é, de longe, um dos meus preferidos da vida inteira ♡

segundo a crença mexicana, o día de los muertos é quando as almas voltam "pro mundo dos vivos" pra visitar seus entes queridos. as famílias montam um altar com as fotos dos falecidos, flores, comidas e outros objetos que representem quem já morreu. (se eu tiver falando bobagem, please, me corrijam!) não sei até que ponto o filme é fiel à cultura mexicana e à essa celebração, então pra evitar falar alguma coisa errada vou me basear unicamente na história que a pixar tá contando.

no filme, pra um morto conseguir atravessar a ponte pro mundo dos vivos e visitar a família, a foto dele precisa estar nesse altar. sem a foto, a passagem dele é barrada. além disso, pra que esse morto não desapareça pra sempre, ele não pode ser esquecido no mundo dos vivos. ou seja, a lembrança dele do lado de cá é o que faz ele continuar existindo do lado de lá. pois muito que bem.

já no mundo dos mortos, depois de mil encontros, desencontros e reviravoltas, miguel conhece seu tataravô e descobre que, se não voltar urgente pro mundo dos vivos, o tataravô vai sumir. isso porque a única pessoa da família que ainda tinha lembranças dele era filha, que é a bisavó do miguel, e ela já tava bem velhinha e perdendo a memória.

contando com a ajuda de todos os familiares no mundo dos mortos, miguelito consegue retornar e é aí que a gente tem a cena mais emocionante do filme. com um violão, contrariando todas as regras da família no mundo dos vivos, ele canta pra bisavó a música que o tataravô compôs pra ela. assim, ele reacende a memória da véinha, que volta a lembrar do pai dela com mais força. e a bisavó chora. e o miguel chora. e os outros familiares (que não queriam que ele tivesse cantado) choram. e você que tá assistindo chora MUITO.


a princípio, parece uma cena meio angustiante, porque se todo mundo tá chorando então a coisa é triste. mas a consequência disso é que o tataravô não foi esquecido e, portanto, não desapareceu. ou seja: FICOU TUDO BEM. daí o tempo passa, a bisavó também falece e a gente vê pai e filha juntos, se abraçando e sorrindo, no mundo dos mortos. miguel colocou a foto do tataravô no altar, então dessa vez todos os familiares falecidos conseguem atravessar a ponte pra comemorar essa data ao lado da família. eles dançam, cantam, brincam, dão risada... o filme termina feliz!

na minha perspectiva, um dos pontos do filme é mostrar que essa é uma data positiva, que é uma forma muito bonita de celebrar a vida de quem já partiu e de manter viva a lembrança daqueles que já não estão mais aqui. mas teve muita gente falando que era uma das histórias mais tristes que a pixar já tinha feito, que não tinha condição de rever etc etc etc.

você aí que ficou tão impactado com a cena emocionante a ponto de não conseguir perceber a mensagem positiva que o filme deixa, vamo assistir de novo? garanto que você não vai se arrepender!

eu assisti pela primeira vez em 2018, achei incrível e amei cada segundo. fiquei bem sentida com a história, mas de um jeito bom. me emocionei com a determinação do miguel e achei linda a forma como a família dele volta a se entender depois de tanto tempo, sem contar no sorrisinho que eu abri quando vi que, no final do filme, ele tava lá bem pleno tocando seu violão. mês passado eu assisti de novo e gostei mais ainda! terminei de ver muito mais feliz do que eu tava antes de começar.

se você ficou triste quando viu, tenta mais uma vez. essa belezinha merece! ♡